Vale do Rhône NorteO Vale do Rhône é a região vinícola mais antiga da França. O rio que lhe empresta o nome nasce nos Alpes suíços, atravessa o centro da França e encontra o mar Mediterrâneo na cidade de Marselha. Ao longo dos seus quase 200 km de extensão (de norte a sul) diferentes tipos de solos e estilos de vinhos podem ser encontrados. Devido a essa diversidade, costuma-se dividir o vale em duas partes: Norte (Setentrional) e Sul (Meridional).

Características

A parte norte do vale produz alguns dos melhores vinhos da França. As videiras (antigas) estão plantadas nas íngremes encostas das montanhas e em terraços (socalcos) muito estreitos, às vezes, com uma fileira apenas de parreiras. O rendimento é baixíssimo, a qualidade é espantosa.

Devido ao terreno acidentado a colheita é totalmente manual e quase sobre-humana. O sol escaldante e o vento Mistral garantem condições únicas a esses vinhedos.

A principal uva tinta dessa região é a Syrah. Aqui ela origina vinhos de cor intensa, robustos e de longa guarda. Os aromas mais marcantes são de: Framboesa, Violeta, Pimenta e Couro. Podemos dizer que a grande maioria de seus vinhos tem um caráter “masculino”.

Principais Regiões

O vale norte se estende desde os limites sul da cidade Vienne até a cidade de Valence. As melhores zonas demarcadas são:

Côte Rôtie: (encosta assada ou “do Sol”) Região mais ao norte do vale, mais fria e com solo rochoso e granítico. As melhores parcelas de terra ficam nos chamados “Côte Brune” e “Côte Blonde”. Aqui a uva Syrah encontra sua melhor expressão de elegância aliada com potência. São vinhos de guarda e estão sempre entre os melhores do mundo.

Hermitage: Restrito apenas a uma colina (cidade de Tain L’Hermitage), produz com a uva Syrah (85%) um tinto potente e viril, muito “masculino”. Precisa de tempo para desenvolver seus melhores aromas e pode ser guardado por décadas.

Crozes-Hermitage: Seus vinhedos cercam a colina (e a demarcação) de Tain-L’Hermitage. Seus vinhos são menos complexos e não necessitam de tempo de guarda. Mas também são muito bons.

Cornas: Micro-região que produz, talvez, o vinho mais retinto e tórrido de toda a França. Precisa de tempo para evoluir e não agrada a todos. Feito apenas com a uva Syrah, seus aromas podem evoluir para trufas, âmbar e alcaçuz.

Saint-Joseph: Região menos famosa do vale, produz vinhos mais fáceis e leves a partir da Syrah. Devem ser consumidos jovens e sem muita preocupação.

Mapa da Região Norte do Vale do Rhône

Degustamos os seguintes vinhos

01 – M.Chapoutier – Cornas 2000 (Cornas) (WS90 – RP89)

O mais masculino de todos da Côte du Rhône. Fica mais ao Sul.
100% Syrah, um vinho com aromas quentes (no início foi só framboesa, depois que abriu evoluiu para couro, charuto, alcaçuz e alcaparra).
Colheita é feita manualmente. Região de vinhos caros.
É potente e longevo.

02 – Delas Frères – Marquise de la Tourette 1999 (Hermitage) (RF*****)

Certamente foi o Top da noite.
Com apenas 13% de teor alcoólico. É um 100% Syrah, totalmente escuro, denso, encorpado, estruturado. Vinificado em madeira velha, apresenta aromas de jabuticaba e pimenta.
Alguns dizem que está entre os 3 melhores Hermitage do mundo.

03 – M.Chapoutier – Lês Bécasses 2001 (Cote Rôtie) (WS91 – RP89)

Aroma de couro. Na boca aparece a pimenta e lembra a culinária árabe. Um vinho elegante, mais delicado. De 20 a 25 anos para chegar ao seu auge.

04 – L.Bernard – Grande Réserve 2001 (Côtes-du-Ventoux)

Este foi o vinho que escolhemos para o jantar. Bom custo benefício.

____
Artigo utilizado na reunião de 25/07/16 da Confraria dos Prazeres.

Texto de André Monteiro.
Editado e publicado por: Maicon F. Santos