Casta originária da França, mais precisamente da região de Bordeaux. Esta casta foi levada para o Loire no século XVII pelo famoso Cardeal Richelieu, que a plantou na abadia de St. Nicolas de Bourgueil. Pouca gente sabe, mas a Cabernet Franc é a cabernet original. A famosa Cabernet Sauvignon surgiu depois, através de um clone entre a Cabernet Franc e a Sauvignon Blanc.

Hoje em dia, a Cabernet Franc é vista como uma uva secundária que entra no corte bordalês e que se presta apenas para dar volume, cor e alguns aromas mais escuros e velhos. Isso é irreal e injusto. Ela não possui a potência e a agressividade da Cabernet Sauvignon, nem a elegância da Merlot, mas ela é deliciosamente redonda e suave com aromas defumados, terrosos e de frutas como framboesa e groselha preta.

Características.

A Cabernet Franc se adapta em quase todas as regiões. É uma casta fácil de cultivar. Pode ser cultivada tanto em regiões quentes como frias. Amadurece cedo. Em Bordeaux, particularmente no Mèdoc, ela é conhecida como a casta da segurança, da salvação. Isso porque, nos anos onde a safra de Cabernet Sauvignon não se mostra boa, potente, a Cabernet Franc entra em maior quantidade para “salvar” o ano, a safra.

Pode ser vinificada sozinha como no Loire, ou em corte, como em Bordeaux. As castas mais comuns para o corte são: Cabernet Sauvignon, Merlot, Tempranillo, Sangiovese e Ugni Blanc. Curiosamente, essa casta é responsável por excelentes vinhos roses do novo mundo.

Apresenta cachos pequenos e de cor violeta profunda, os seus bagos também são pequenos, redondos, delicados e de casta mais fina que a Cabernet Sauvignon. Floresce e amadurece mais cedo. O excesso de frio produz vinhos pálidos e de sabores pobres. O excesso de calor sobre amadurece a Cabernet Franc, provocando sabores e aromas excessivamente herbáceos e vegetais.

Aromas

  • Folhas Secas,
  • Frutas passadas,
  • Groselha Preta,
  • Ameixa Preta,
  • Terrosos,
  • Funghi Seco,
  • Madeira velha.

Em linhas gerais, os aromas primários mais encontrados são: frutas vermelhas (cassis, framboesa), frutas pretas (ameixa, groselha), florais (violeta), especiarias (orégano, chá verde) outros (folhas secas, terra, chão de terra, funghi seco, tabacco, madeira velha). Com o tempo de guarda, os melhores vinhos podem apresentar: amadeirados (cedrinho, caixa de charutos), animal (couro velho, suor), outros (frutas passadas, ervas, especiarias).

Na boca, a Cabernet Franc é menos ácida e tânica do que a Cabernet Sauvignon. Seus vinhos são mais redondos, menos gordos, quase lembrando um Merlot. Possui boa estrutura, intensidade, complexidade mediana e apresenta-se marcante, apesar de seu corpo ser médio (na maioria das vezes). A passagem por madeira é bem vinda desde que não destrua sua delicadeza, como uma Pinot Noir.

Ela pode originar alguns vinhos prontos para o consumo logo que são engarrafados. Mas os melhores precisam de alguns anos para evoluir. Os vinhos jovens devem ser consumidos até 05 anos. Os vinhos de guarda seguem a seguinte linha: de 05 a 10 anos (Loire e Itália), de 07 a 20 anos (Bordeaux).

Principais Regiões.

Cultivada em poucos lugares, a Cabernet Franc apresenta o seu melhor na França, mas também está presente em outros países. As melhores regiões são:

França, Bordeaux – Se apresenta em corte, com destaque para os vinhos da margem direita (Pomerol e St.Emilion). Referência máxima: Ch.Cheval Blanc;

França, Loire – Se apresenta varietal, com vinhos mais redondos, harmoniosos e deliciosamente aromáticos. As melhores sub-regiões são: Chinon e Bourgueil;

Itália, Norte – Vinhos secos elegantes e delicados. Região do Friuli;

Chile, Maipo – Vinhos secos frescos e jovens;

Brasil, Vale dos Vinhedos – Vinhos frágeis e difíceis mas que as vezes surpreendem pela qualidade. Melhores produtores são: Valduga e Don Giovanni.

Grandes Cabernets Franc

Ch.Ausone;
Ch.de Beauregard;
Ch.Belair;
Ch.Canon;
Ch.Cheval-Blanc;
Ch.Figeac;
Clos des Jacobins;
Clos L’Eglise;
Ch.L’Evangile;
Ch.Haut-Bergey;
Ch.Lafleur;
Ch.Tour-Figeac;
Philippe Alliet;
Bernard Baudry;
Ch.de Bonnevaux;
Pierre-Jacques;
Drüet;
Charles Joguet;
Ch.des Roches;
Ch.de Villeneuve;
Franz Haaz;
Quintarelli;
Russiz;
San Leonardo;
Schiopetto;
Valdivieso.

Compatibilização.

Devido a sua excelente complexidade aromática, a Cabernet Franc pode combinar com inúmeras culinárias. Merecem destaque: Cozinha Árabe, Marroquina e Grega. Além disso, ela harmoniza muito bem com Pizza, Lasagna, Frango e Calinha Caipira.

Confira os vinhos degustados pela Confraria dos Prazeres nesta reunião:

  1. Odfjell – Orzada Cabernet Franc 2003 (Chile) – Preço de referência: R$86,00 (WS87)
  2. Clos de Danzay – Chinon 2003 (Loire) – Preço de referência: R$115,00
  3. Ch.de Lamarque 1999 (Bordeaux) – Preço de referência: R$160,00
  4. Ch.Haut-Bergey 2001 (Borbeaux, Pessac-Leognan) – Preço de referência: R$240,00 (RP90)
  5. Angove’s – Shiraz (Austrália) – Preço de referência: R$45,00

____

Até a próxima degustação!

Texto de André Monteiro. Editado e publicado por: Maicon F. Santos.